REPOSITORIO PUCSP Teses e Dissertações dos Programas de Pós-Graduação da PUC-SP Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.pucsp.br/jspui/handle/handle/24497
Tipo: Tese
Título: Feridas abertas e silêncios ensurdecedores: figurações do trauma nas personagens femininas de António Lobo Antunes
Título(s) alternativo(s): Invisible wounds and deafening silences: figurations of trauma in the female characters of António Lobo Antunes
Autor(es): Valim, Graziele Maria
Primeiro Orientador: Navas, Diana
Resumo: Há muitas definições de trauma e, a mais defendida e estudada delas, é a de ser a consequência de uma experiência ou evento avassalador, súbito ou catastrófico, como genocídios, catástrofes naturais, torturas, estupros, abusos infantis. É um fenômeno, segundo Cathy Caruth (1995), que promove um grave dano mental, pois, como não é totalmente registrado na memória do sujeito, faz com que este seja possuído, tardiamente, por imagens intrusivas, alucinações, reencenações compulsivas do evento traumático. Contudo, se pensarmos o indivíduo da sociedade contemporânea como um sujeito que, cotidianamente, sofre choques e colisões, privado de experiência e memória, podemos inferir que o trauma tem se tornado crônico em nossa contemporaneidade. Nessa perspectiva, Laura Brown (1995) afirma que ao considerarmos o trauma como um evento singular, algo fora da experiência comum, isto é, da realidade social normal, estamos desprezando o trauma repetitivo, insidioso e contínuo que as mulheres e demais grupos vulneráveis da sociedade têm sofrido. Dessa forma, o presente estudo tem como principais objetivos pensar o trauma a partir de suas figurações, interpretar como a escrita de António Lobo Antunes (re)configura e reflete, em sua estrutura e temática, a complexidade do trauma sofrido pelas personagens femininas que protagonizam os romances Exortação aos Crocodilos (1999), Da natureza dos deuses (2015), Para aquela que está sentada no escuro à minha espera (2016), e discutir os efeitos de sentido na elaboração desse tipo de escrita. Ao analisarmos as narradoras femininas, deparamo-nos com mulheres abusadas, silenciadas, tratadas como coisas e propriedade dos homens, independente da classe social que ocupam. Nossa hipótese é que os discursos das personagens, carregados de dor, são fragmentos de experiências oprimidas, agressivas e não assimiladas, que denotam não somente a impossibilidade de narrar, mas memórias de indivíduos traumatizados. Essas memórias desafiam o leitor, por meio da complexidade do discurso, a recriar o desconhecido, a preencher lacunas, a entrar em labirintos sombrios com diferentes camadas de violência. Nesse sentido, defendemos, por meio de uma pesquisa qualitativa, de cunho bibliográfico e exploratório-descritiva, a tese de que o trauma, além de articular-se em termos temáticos, nas narrativas aqui selecionadas como corpus de nossa pesquisa, também se encena em níveis estruturais, através de estratégias discursivas autoconscientes, configurando o que denominamos de estética do trauma. Depreende-se, a partir de nossos estudos, que, ao capturar e ser capaz de materializar, textualmente, o trauma em seus textos, Lobo Antunes confronta seus leitores com aquilo que foi reprimido ou “esquecido”, com feridas que ainda não foram (historicamente) compreendidas e nem cicatrizadas
Abstract: There are many general definitions of trauma, and among them, the most general and studied is that overwhelming experience of sudden or catastrophic events such as genocides, natural disasters, torture, rape, child abuse. According to Cathy Caruth (1995), trauma is a phenomenon, which is too shocking to be fully registered upon occurrence and which manifests belatedly in its repeated possession of the one who experiences it. The victims of this experience are susceptible to a routine of intrusive flashbacks, uncontrolled repetitive appearance of hallucinations and dreams of the traumatic event. However, if we think that traumatic shock becomes a register of the effects of living within contemporary society, and that shock or trauma becomes the daily sensation of the everyday life of the people, so we may say as result of exposure to varied and multiple traumatic experiences, trauma becomes chronic, complex and diffuse in our society. Reflecting on the notion of trauma, Laura Brown (1995) argues that when trauma is defined as unusual, as the result of a single event that is outside of the range of human experience, by inference, the daily of abusive situations, the private, secret, insidious traumas of women and vulnerable groups are excluded. Thus, this paper explores trauma from a psychosocial and literary perspective, with a specific focus in the ways António Lobo Antunes use the narrative to reconfigure and aestheticize the trauma suffered by the female characters who star in the novels Exortação aos Crocodilos (1999), Da natureza dos deuses (2015), Para aquela que está sentada no escuro à minha espera (2016). Our analysis of the female characters, regardless of the social class they occupy, show us women within a painful history of silence, abused, silenced, treated as things and property of men. Through the analysis of the configuration of trauma in antuniana narratives, our hypothesis is that the discourse of female characters, full of pain, are pieces of oppressed, aggressive and not assimilated experiences, which mean not only the impossibility of narrating, but traumatic memories. These memories construct itself by gaps and different layers of violence, and depend on the reader to assemble the pieces and complete the story. In this context, it was carried a qualitative research, descriptive, bibliographic and exploratory, this thesis takes the position that in the narratives selected here as the corpus of our research, the trauma is not represented as content or theme but within aesthetic tools that deliberately textualizing and drawing attention to the processes of memory and for a rupture of the symbolic order. In face of the novels of António Lobo Antunes, burned by pain and suffering, the reader is confronted by past and forced reflecting which was repressed or “forgotten”, with wounds that have not yet been (historically) understood
Palavras-chave: Antunes, Antonio Lobo [1942- ]
Trauma psíquico
Violência contra as mulheres na literatura
Antunes, Antonio Lobo [1942- ]
Psychic trauma
Violence against women in literature
CNPq: CNPQ::LINGUISTICA, LETRAS E ARTES::LETRAS::TEORIA LITERARIA
Idioma: por
País: Brasil
Editor: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Sigla da Instituição: PUC-SP
metadata.dc.publisher.department: Faculdade de Filosofia, Comunicação, Letras e Artes
metadata.dc.publisher.program: Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária
Citação: Valim, Graziele Maria. Feridas abertas e silêncios ensurdecedores: figurações do trauma nas personagens femininas de António Lobo Antunes. 2021. Tese (Doutorado em Literatura e Crítica Literária) - Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2021.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: https://repositorio.pucsp.br/jspui/handle/handle/24497
Data do documento: 13-Set-2021
Aparece nas coleções:Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Graziele Maria Valim.pdf1,57 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.