REPOSITORIO PUCSP Teses e Dissertações dos Programas de Pós-Graduação da PUC-SP Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.pucsp.br/jspui/handle/handle/24797
Registro completo de metadados
Campo DCValorIdioma
dc.creatorGirão, Luis Carlos Barroso de Sousa
dc.creator.Latteshttp://lattes.cnpq.br/3182742196653496pt_BR
dc.contributor.advisor1Cardoso, Elizabeth
dc.contributor.advisor1Latteshttp://lattes.cnpq.br/5133916834625567pt_BR
dc.date.accessioned2022-02-22T17:07:28Z-
dc.date.available2022-02-22T17:07:28Z-
dc.date.issued2021-11-12
dc.identifier.citationGirão, Luis Carlos Barroso de Sousa. O objeto-livro infantil: perspectivas crítico-estéticas entre literatura e outras mídias. 2021. Tese (Doutorado em Literatura e Crítica Literária) - Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2021.pt_BR
dc.identifier.urihttps://repositorio.pucsp.br/jspui/handle/handle/24797-
dc.description.resumoEste trabalho visa um reposicionamento teórico da crítica diante da estética que se estabelece como produção do objeto livro na Literatura Infantil contemporânea. Nosso objetivo é contribuir com estudos em teoria e crítica literária, ao refletir sobre outras possibilidades de enfrentamento crítico-estético dessas experimentações em linguagens híbridas e materializadas em mídias distintas que se atravessam. O corpus selecionado – formado por Alice in Wonderland (2002), de Suzy Lee; A Cloud (2007), de Katsumi Komagata; e Bili com limão verde na mão (2009), de Décio Pignatari, Daniel Bueno e Luciana Facchini – é exemplar dessas experiências de linguagem endereçadas ao público infantil, por levar em conta não apenas as significações verbais e visuais, como também a objetualidade do livro. Nesse contexto, questionamos se as teorias que embasam a área de Literatura Infantil hoje são suficientes para auxiliar-nos a pensar criticamente sobre o que propomos chamar de objeto-livro infantil, produzido por artistas da visualidade, em sua diferença ao conhecido livro-objeto, e perguntamos quais seriam os aspectos a serem ampliados, revistos, superados diante desses objetos. Nossas hipóteses partem da ideia de que estudos críticos consagrados dedicados à relação palavra-imagem-design (Nodelman, Nikolajeva, Lewis, Linden, Beckett) são insuficientes para embasar uma ampliação do Ler (que é olhar, ouvir, tocar, sentir) essas obras informadas como reflexo e parte dos movimentos e sentidos do corpo que as segura, e que uma visada multidisciplinar, que encare o livro não apenas como suporte mas como mídia (Bolter & Grusin, Elleström), seja o caminho mais eficaz para explorar analiticamente essas experimentações literárias inscritas na forma tradicional de mídia codexical. Nesse sentido, a tese está estruturada em cinco capítulos que buscam, nos estudos do livro (Carrión, Plaza, Drucker), uma defesa do códex como forma significante e autoconsciente, promotora de abordagens neo-materialistas nos estudos literários (Brillenburg Wurth, Plate, Pressman); na filosofia da linguagem em diálogo com a estética e a neurociência (Didi-Huberman, Sheets-Johnstone, Gallese), elementos que constituam uma compreensão daquilo que é háptico no olhar, no tocar, no gestualizar, concepções decisivas na virada perceptual ao longo do século XX e base dos experimentos artísticos neste início de século XXI; e nas teorias do design e da percepção (Flusser, Santaella, Marks), bases que sustentem o pensamento multifacetado das práticas artísticas que olham para uma folha de papel dobrada, inscrevendo um livro em múltiplas durações, como forma materializada que se atualiza auto-conscientemente no ato de conscientizar o Leitor de seu corpo em movimentopt_BR
dc.description.abstractThis work aims to present a theoretical repositioning of criticism in view of the aesthetics that is established as the production of the object book in contemporary Children’s Literature. Our main goal is to contribute to studies in literary theory and criticism, reflecting on other critical-aesthetic possibilities of confrontation to these experiments in hybrid languages and materialized in different media that cross each other’s borders. The selected corpus – formed with Alice in Wonderland (2002), by Suzy Lee; A Cloud (2007), by Katsumi Komagata; and Bili com limão verde na mão (2009), by Décio Pignatari, Daniel Bueno and Luciana Facchini – is an example of these language experiences addressed to children, since it takes into account not only the verbal and visual meanings, but also the book’s objectuality. Within this context, we question whether the theories that underlie the Children’s Literature field today are enough to help us out thinking critically about what we are proposing to call children’s object-book, produced by visual artists, in its difference to the well-known book-object, and we ask what would be the aspects to be expanded, revised, overcome in view of these objects. Our hypotheses are based on the idea that prestigious critical studies dedicated to the word-image-design relationship (Nodelman, Nikolajeva, Lewis, Linden, Beckett) are insufficient to support an expansion of Reading (which is looking, listening, touching, feeling) these works informed as a reflection and part of the movements and senses of the body that holds them up, and that a multidisciplinary approach, which sees the book not only as a support but also as a medium (Bolter & Grusin, Elleström), is the most effective way to analytically explore these literary experiments inscribed in the traditional form of codexical media. In this sense, the thesis is structured in five chapters that seek, in book studies (Carrión, Plaza, Drucker), a defense of the codex as a significant and self-conscious form, promoting new materialistic approaches in literary studies (Brillenburg Wurth, Plate, Pressman); in the philosophy of language dialoguing with aesthetics and neuroscience (Didi-Huberman, Sheets-Johnstone, Gallese), elements that constitute an understanding of what is haptic in looking, touching, gesturing, decisive conceptions in the perceptual turn throughout the 20th century and the basis of artistic experiments at the beginning of the 21st century; and in design and perception theories (Flusser, Santaella, Marks), bases that support the multifaceted thinking of artistic practices that look at a folded sheet of paper, inscribing multiple durations in a book, as a materialized form that selfconsciously updates itself in the act of making the Reader aware of his moving bodyen_US
dc.description.sponsorshipCoordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – CAPESpt_BR
dc.languageporpt_BR
dc.publisherPontifícia Universidade Católica de São Paulopt_BR
dc.publisher.departmentFaculdade de Filosofia, Comunicação, Letras e Artespt_BR
dc.publisher.countryBrasilpt_BR
dc.publisher.initialsPUC-SPpt_BR
dc.publisher.programPrograma de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literáriapt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.subjectCrítica literáriapt_BR
dc.subjectObjeto-livropt_BR
dc.subjectLiteratura infantilpt_BR
dc.subjectNeo-materialismopt_BR
dc.subjectIntermídiapt_BR
dc.subjectLinguagempt_BR
dc.subjectCrítica literáriapt_BR
dc.subjectObjetualidadept_BR
dc.subjectCorpobjetualidadept_BR
dc.subjectCorpopt_BR
dc.subjectLiterary criticismen_US
dc.subjectobject-booken_US
dc.subjectchildren's literatureen_US
dc.subjectneo materialismen_US
dc.subjectintermediaen_US
dc.subjectlanguageen_US
dc.subjectobjectualityen_US
dc.subjectbodyen_US
dc.subject.cnpqCNPQ::LINGUISTICA, LETRAS E ARTES::LETRAS::TEORIA LITERARIApt_BR
dc.titleO objeto-livro infantil: perspectivas crítico-estéticas entre literatura e outras mídiaspt_BR
dc.typeTesept_BR
Aparece nas coleções:Programa de Estudos Pós-Graduados em Literatura e Crítica Literária

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Luis Carlos Barroso de Sousa Girão.pdf2,63 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.