REPOSITORIO PUCSP Teses e Dissertações dos Programas de Pós-Graduação da PUC-SP Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciência da Religião
Use este identificador para citar ou linkar para este item: https://repositorio.pucsp.br/jspui/handle/handle/19260
Tipo: Dissertação
Título: No Cadinho da Reconciliação: o diálogo cristão-judaico, do Parlamento Mundial das Religiões ao Vaticano II
Título(s) alternativo(s): In the Crucible of Reconciliation: the Christian-Jewish dialogue, the World Parliament of Religions Vatican II
Autor(es): Martins, Angelina Carr Ribeiro
Primeiro Orientador: Usarski, Frank
Resumo: No percurso histórico, as primeiras iniciativas em direção ao diálogo ocorreram no Parlamento Mundial das Religiões, passaram pela Shoah, até o Concílio Vaticano II. A Declaração Nostra Aetate foi um documento que marcou a abertura e a disposição da Igreja para o diálogo inter-religioso, e foi o ponto de virada na relação com os judeus e o Judaísmo. Foi elaborada no Vaticano II, e nas palavras do Papa João XXIII, chegara o momento do aggiornamento, a reforma da Igreja. Neste processo, a compreensão do conceito de diálogo, até o Vaticano II, também passou por uma evolução para que fosse considerado um elemento fundamental nas relações inter-religiosas do século XX. Por conseguinte, em decorrência do Concílio, a Igreja Católica rompeu com o paradigma teológico supersessionista, ou seja, houve uma mudança do Modelo de Substituição para o Modelo de Complementação, em uma nova postura mais liberal e flexível, porém, com seus limites. Assim, abriu-se o caminho para a Teologia Cristã das Religiões. No entanto, a elaboração do conteúdo da Nostra Aetate foi fruto de pesquisas, publicações e conferências realizadas mesmo antes do Concílio, tanto por representantes do Judaísmo, quanto por cristãos, católicos e protestantes. Neste sentido, o contexto da Segunda Guerra Mundial, da Shoah e da criação do Estado de Israel foi decisivo para que o tema sobre os judeus fosse inserido no Vaticano II. O argumento mais defendido referiu-se à questão do ensino de desprezo, liderado pelo historiador judeu francês Jules Isaac, em que a Igreja teve que lidar com o antissemitismo religioso presente há séculos em sua liturgia. Até sua promulgação houve um intenso trabalho desenvolvido nos bastidores do Concílio, tanto pelos que se opuseram ao tema sobre os judeus, como a ala conservadora e as Igrejas católicas orientais, que levantaram questões políticas envolvendo o Estado de Israel, quanto o empenho de sacerdotes, como Agostinho Bea, John Oesterreicher e Gregory Baum, com espírito renovador, cujo trabalho envolveu habilidade, conhecimento, diplomacia e perseverança, até que o texto mais político do Concílio fosse concluído e aprovado, a Nostra Aetate
Abstract: The Declaration Nostra Aetate was a document that marked the opening and to the Church for interreligious dialogue, and was the turning point in relations with Jews and Judaism. It was developed in the Vatican II, and in the words of Pope John XXIII, the time was the aggiornamento or Church reform. In this process, understanding the concept of dialogue, to the Vatican, also underwent an evolution that was considered a key element in inter-religious relations of the twentieth century. Therefore, due to the Council, the Catholic Church broke with the theological paradigm supersessionism, there was a change Replacement Model for model Complementation in a new, more liberal and flexible attitude. Thus opened the way for the Christian Theology of Religions. However, the development of the content of Nostra Aetate was the result of research, publications and conferences even before the Council, both of representatives of Judaism, as for Christians, Catholics and Protestants. In this sense, the context of World War II, the Shoah and the creation of the State of Israel was decisive for the subject of the Jews were inserted in the Vatican. The most defended argument referred to the issue of teaching of contempt, led by the French Jewish historian Jules Isaac, by which the Church had to deal with religious anti-Semitism present for centuries in its liturgy. Until its enactment was an intense work in the Council backstage, both by those who opposed the theme of the Jews, as the conservative wing and the Eastern Catholic Churches, who raised political issues involving the State of Israel, as the commitment of priests, as Agostinho Bea, John Oesterreicher e Gregory Baum, with renovator spirit whose work involved skill, knowledge, diplomacy and perseverance until the Council's more political text was completed and approved, the Nostra Aetate
Palavras-chave: Diálogo - Aspectos religiosos
Teologia das religiões (Teologia cristã)
Judaísmo
Antissemitismo e cristianismo
Interreligious dialogue
Judaism
Anti-semitism
CNPq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS::SOCIOLOGIA::OUTRAS SOCIOLOGIAS ESPECIFICAS
Idioma: por
País: Brasil
Editor: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Sigla da Instituição: PUC-SP
metadata.dc.publisher.department: Faculdade de Ciências Sociais
metadata.dc.publisher.program: Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciência da Religião
Citação: Martins, Angelina Carr Ribeiro. No Cadinho da Reconciliação: o diálogo cristão-judaico, do Parlamento Mundial das Religiões ao Vaticano II. 2016. 158 f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Religião) - Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciência da Religião, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2016.
Tipo de Acesso: Acesso Aberto
URI: https://tede2.pucsp.br/handle/handle/19260
Data do documento: 17-Jun-2016
Aparece nas coleções:Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciência da Religião

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Angelina Carr Ribeiro Martins.pdf1,83 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.